Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Palavras Soltas...

As palavras podem significar muito, ou podem significar nada! Podem ser boas ou más... mas nunca deixarão de ser proferidas!

Palavras Soltas...

As palavras podem significar muito, ou podem significar nada! Podem ser boas ou más... mas nunca deixarão de ser proferidas!

20
Fev14

A polémica dos Tordos

Como podem ver no post em baixo, o esritor João Tordo escreveu uma carta dirigida ao pai Fernando Tordo, que se viu obrigado a emigrar para o Brasil. Essa carta tornou-se viral na internet e houve logo quem tratasse de lhe dar uma resposta.

Um dos textos que vi é de uma senhora chamada Suse de Sousa que escreve o seguinte:

 

«Recado ao João Tordo.
De filha que sou para filho que és.
Quando eu nasci o meu pai estava em Rio Maior. Quando fui para a primária o meu pai estava na Suiça. Quando eu estava no ciclo o meu pai estava em Viana do Castelo. Quando eu estava no secundário o meu pai estava no Algarve. Quando eu estava na faculdade o meu pai estava na Alemanha, França, Espanha, Roménia...entendes isto?
João, tenho 33 anos e cresci assim. A ver o meu pai sazonalmente. Não, o meu pai não é músico nem propriedade intelectual deste belo país. O meu pai é serralheiro. Sabes quando vens ao Porto e atravessas a ponte D. Luis de metro? Foi ele. Sabes as refinarias em Matosinhos ou Sines que te permitem teres combustível para abasteceres o teu carro? Foi ele. Sabes os barcos que durante anos saíram dos estaleiros de Viana? Foi ele. Se a “obra” do meu pai é tão bonita quanto a “Tourada” do teu isso não sei dizer. Sei-te dizer que te entendo. Mas também te sei dizer que as costas de Portugal não podem ser assim tão largas. O teu pai corajoso foi tentar uma vida melhor no Brasil. O meu já está batido nisso. Não vejo ninguém indignado pelos milhares que como o teu pai e o meu são obrigados a sair deste país que nada oferece. O teu pai ainda tem 2 reformas. O meu ainda trabalha no duro e desconta. Sabes deixa-os ir. É difícil mas sobrevive-se. E o choradinho nunca levou ninguém a lado algum.
PS- O meu pai está neste momento no Brasil. Se o teu pai quiser trabalhar que lhe ligue. Pode ser que se arranje qualquer coisa.
»

 

 

Esta resposta faz-me lembrar as birras entre miúdos, em que se "atacam" com frases do género: "o meu pai é melhor que o teu, o meu pai faz isto e aquilo e o teu pai não!".

Nem o Fernando Tordo é mais que o pai desta Suse, nem o pai dela  é mais que o Fernando Tordo. Simplesmente, os dois, por força das circunstâncias viram-se obrigados a emigrar. Como tantos outros fizeram e continuam a fazer diariamente, porque todos os dias há portugueses a partir em busca de um futuro melhor. O facto do pai desta senhora já estar «batido nisso» da emigração,  não o faz melhor pessoa, que o pai de qualquer um de nós.

Diz a Suse no seu texto, que «o choradinho nunca levou ninguém a lado algum». E eu pergunto, mas quem é ela para dizer o que quer que seja relativamente aos sentimentos de João Tordo? Quem somos nós para julgarmos a tristeza dos outros?  João Tordo limitou-se a fazer uma carta  a dizer o que lhe ia na alma, triste por ter de ver o pai a emigrar com 65 anos e magoado «pelos palavrões duros» que teve de ouvir a seu respeito.  Será que a Suse gostaria que falassem mal do seu pai? Concerteza que  não, até porque foi para as redes sociais "vangloriá-lo" com esta resposta que deu .

 

Acho, que com esta carta, João Tordo, para além de desabafar o que lhe ia na alma, mostrou também a sua indignação com a crise que o país vive, mas não só com a crise ecnómica:

 

«Os nossos governantes têm-se preparado para anunciar, contentíssimos, que a crise acabou, esquecendo-se de dizer tudo o que acabou com ela. A primeira coisa foi a cultura, que é o património de um país. A segunda foi a felicidade, que está ausente dos rostos de quem anda na rua todos os dias. A terceira foi a esperança. E a quarta foi o meu pai, e outros como ele, que se recusam a ser governados por gente que fez tudo para dar cabo deste país - do país que ele, e milhões de pessoas como ele, cheias de defeitos, quiseram construir: um país melhor para os filhos e para os netos. Fracassaram nesse propósito; enganaram-se ao pensarem que podíamos mudar. Não queremos mudar. Queremos esta miséria, admitimo-la, deixamos passar. E alguns de nós até aí estão para insultar, do conforto dos seus sofás, quem, por não ter trabalho aqui - e precisar de trabalhar para, aos 65 anos, não se transformar num fantasma ou num pedinte - pegou nas malas e numa guitarra e se foi embora.»

 

 É triste vivermos numa sociedade em que além da crise económica, também a sociedade está em crise de valores, tenho a sensação que as pessoas estão sempre à espera de um pretexto, para nas redes socias desatarem a achincalhar alguém, então se esse alguém for  conhecido, é perfeito! As pessoas querem  arranjar bodes expiatórios onde não os há e onde os há tapam os olhos.

É que andamos tantos anos a ser desgovernados, a ser roubados e a quem nos roubou, ninguém se vira. Atacamos aqueles que como nós estão mal, e fingimos não ver os que vivem à grande e à francesa à nossa custa com reformas milionárias.

 

Somos assim:

 

66 comentários

Comentar post

Pág. 1/6

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Contacto:

palavrassoltasnomundo @gmail.com

Estou no Bloglovin', segue-me:

Follow

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

WOOK - www.wook.pt

Links

  •  
  • Comentários recentes

    • Luella Rose

      Muito mais bonita, com um corpo de uma mulher "rea...

    • Luella Rose

      As pessoas e a sua mania que qualquer coisa é uma ...

    • Maribel Maia

      Bem dito!

    • Palavras Soltas

      O meu pai adaptou-se muito bem e por isso também p...

    • m-M

      O meu pai, por exemplo, não se adaptou a smartphon...